recomendações nutricionais

 

Esta página foi criada para divulgar, de maneira objetiva, as principais orientações nutricionais para o tratamento dos distúrbios gastrintestinais mais frequentes nos ambulatórios. São recomendações de nutrientes (e alimentos fonte), modos de preparo e comportamentos que trazem alívio aos sintomas de alterações no sistema digestório, como náuseas ou dificuldade de digestão.

 

Atenção! As orientações nutricionais publicadas no lactobacilo.com não substituem a consulta com um nutricionista ou médico.

 

Náuseas e vômitos

 

- Fazer mais refeições ao dia, comendo pouca quantidade de alimentos de cada vez. Consumir os alimentos em temperatura ambiente ou fria.


- Preferir alimentos mais secos, como biscoitos e pães.


- Evitar deitar após as refeições e o consumo de gorduras, açúcares e condimentos.

 

Diarréia

 

- Repor os líquidos e os minerais perdidos, bebendo água e sucos várias vezes ao dia, em pequenas quantidades.


- Preferir iogurte simples ou com lactobacilos e evitar a ingestão de leite e queijos. Consumir alimentos que “prendem o intestino”, como goiaba, banana prata, arroz, fubá, amido de mandioca (tapioca), maçã (sem casca), caju, limão, maracujá.


- Aumentar o consumo de alimentos ricos em fibras solúveis (frutas cítricas, maçã, abacate, legumes, aveia, centeio) e potássio (batata, laranja, banana, tomate, feijão, carne bovina).

 

- Consumir os alimentos em temperatura ambiente ou mornos.

Constipação (intestino preso)

 

- Aumentar o consumo de fibras (solúveis e insolúveis – 25g por dia), de água (pelo menos 2,5 litros por dia). ATENÇÃO: o aumento no consumo de fibras sem aumento da ingestão de líquidos pode piorar o quadro de constipação.


- Preferir pães, biscoitos, arroz e outros cereais INTEGRAIS. Consumir alimentos ricos em tiamina (fígado, cereais integrais), potássio (leite, batata, laranja, banana, feijão) e gordura monoinsaturada (azeite de oliva, óleo de canola).


- Evitar alimentos que provocam constipação (maisena, banana prata, batata inglesa, caju, cará, goiaba, biscoito cream cracker, limonada, chá preto, cevada, fécula de batata).

 

Boca seca (xerostomia)

 

- Preparar os alimentos com caldos e molhos, evitando pratos muito secos e salgados. Aumentar o consumo de água (2L/dia) e ingerir líquidos durante as refeições.


- Chupar cubos de gelo (feito de água, água-de-coco ou sucos) nos intervalos das refeições.


- Usar gotas de limão para temperar as saladas e acidificar as bebidas. Consumir frutas cítricas (laranja, limão, mexerica, lima), se toleradas.

 

 

Flatulência (gases)

 

- Comer devagar, mastigando bem os alimentos. Não ingerir alimentos em temperaturas extremas (muito quentes ou muito frios).


- Evitar comer em excesso alimentos ricos em enxofre (carnes, aves, peixes, ovos, feijões, brócolis, couve-flor, repolho), leites (prefira iogurte ou coalhada), açúcares, massas mal cozidas e fibras insolúveis (vegetais folhosos, grãos integrais, trigo, milho).

 

 

Dificuldade de digestão (dispepsia)

 

- Fazer mais refeições ao dia, comendo pouca quantidade de alimentos de cada vez. Comer devagar, mastigando bem os alimentos.


- Aumentar o consumo alimentos ricos em fibras solúveis (frutas cítricas, maçã, abacate, legumes, aveia, centeio) e glutamina (carnes, soja, leitese derivados).


- Evitar refrigerantes e outras bebidas com gás, frituras, açúcares e bebidas alcoólicas.

 

 

Perda do apetite (anorexia)

 

- Consumir alimentos ricos em zinco (carnes, peixes, aves, leites e derivados, fígado, cereais integrais).


- Preparar os alimentos da preferência do paciente, com boa apresentação.


- Aumentar a densidade calórica dos pratos com sopas cremosas, vitaminas com leite, sorvetes, mel, etc.


- Evitar excesso de gorduras e a ingestão de líquidos durante as refeições.


- Fazer mais lanches pequenos nos intervalos das refeições.


- Considerar o uso de um complemento nutricional (oral, enteral ou parenteral).

 

 

Alterações no paladar (disgeusia)

 

- Aumentar o consumo de alimentos ricos em zinco (carnes, peixes, aves, leites e derivados, fígado, cereais integrais).


- Oferecer os alimentos da preferência do paciente.


- Temperar bem os alimentos, usando ervas e condimentos.


- Preferir os alimentos em temperatura fria ou gelada.

 

 

Glossite (língua inchada)

 

- Dar preferência aos alimentos mais macios, em temperatura ambiente ou fria.


- Consumir alimentos ricos em cobalamina (fígado, peixes, ovos, leite e queijos), niacina (carnes magras, aves, peixes, gergelim e amendoim) e folato (fígado, carnes magras, vegetais folhosos, batatas, cereais integrais e feijões).


- Evitar alimentos gordurosos, ácidos ou quentes e os condimentos em geral.

 

 

Candidíase oral (sapinho)

 

- Aumentar o consumo de carboidratos complexos (cereais integrais, frutas e hortaliças) e reduzir o de carboidratos simples (doces e pães brancos).


- Consumir leites fermentados com lactobacilos.


- Consumir alimentos ricos em cobalamina (fígado, peixes, ovos, leite e queijos) e niacina (carnes magras, aves, peixes, gergelim e amendoim).


- Evitar alimentos ácidos e quentes.

 

 

Dor abdominal

 

- Preferir os alimentos servidos em temperaturas frias ou geladas.


- Fazer refeições menos volumosas.


- Evitar o excesso de fibras, alimentos flatulentos e fermentáveis, ricos em enxofre e gordurosos.


- Não ingerir líquidos durante as refeições.

 

 

Estomatite

 

- Fazer uso de dieta branda, com consistência mais macia.


- Aumentar a ingestão de cobalamina e de alimentos ricos em vitamina A (óleos vegetais, vegetais amarelos e verde-escuros), vitamina E (óleos vegetais, manteiga, ovos e frutas oleaginosas), vitamina C (frutas cítricas), folato (fígado, carnes magras, vegetais folhosos, batatas, cereais integrais e feijões) e zinco (carnes, peixes, aves, leites e derivados, fígado, cereais integrais).


- Evitar alimentos muito quentes, condimentados, ácidos, secos e salgados.

 

 

Ulceração gastrintestinal com sangramentos

 

- Fazer uso de dieta branda, com consistência mais macia.


- Aumentar o teor de proteínas e de carboidratos complexos na dieta e reduzir o de carboidratos simples.


- Consumir alimentos ricos em ferro (fígado, frutos do mar, coração, feijões, gema de ovo), vitamina C (frutas cítricas) e vitamina A (óleos vegetais, vegetais amarelos e verde-escuros).


- Reduzir o consumo de cafeína, fitatos, alimentos muito temperados ou condimentados e sucos ácidos.

 

Esofagite

 

- Fazer uso de dieta branda, com consistência mais macia.


- Aumentar o teor de proteínas da dieta e reduzir o de carboidratos e lipídios.


- Aumentar o consumo de vitaminas A (óleos vegetais, vegetais amarelos e verde-escuros), C (frutas cítricas) e folato (fígado, carnes magras, vegetais folhosos, batatas, cereais integrais e feijões).


- Reduzir o consumo de cafeína, purinas (anchovas, sardinhas, vísceras, caldos de carnes, frutos do mar), carminativos (medicamentos para redução de gases) e alimentos ácidos.


- Evitar deitar-se após as refeições e realizar a última refeição 3 a 4 horas antes de deitar.

 

 

 

 

Para ler o texto completo visite nossa página para desktop