fases da vida

Ao longo da vida, podemos identificar fases que se destacam por apresentarem características peculiares – infância, adolescência, juventude, idade adulta e terceira idade. Alguns períodos são considerados críticos porque apresentam necessidades fisiológicas e psicossociais específicas, demandando atenção especial com a alimentação: a gestação, o parto e o período perinatal, a fase do aleitamento e a de transição alimentar, o período pré-escolar, a adolescência e a terceira idade.

 

 

Gestação

 

As recomendações nutricionais devem considerar as necessidades específicas da mulher nesta fase e são fundamentais para o pleno desenvolvimento da criança. Previnem também risco de sobrepeso, bem como o diabetes gestacional e a anemia. As queixas comuns (como náuseas, vômitos, azia etc...) devem ser objeto de aconselhamento e a orientação nutricional é um instrumento-chave em todas essas situações. Durante a amamentação as necessidades nutricionais também merecem especial atenção, pois a mulher precisa de mais energia, proteínas, vitaminas e minerais para manter sua saúde e produzir leite.

 

 

Bebês (até 2 anos)

 

Recomenda-se o aleitamento materno exclusivo até os 6 meses de vida como prática eficaz de proteção à saúde da criança. Como forma complementar de alimentação, o aleitamento deve seguir até os 2 anos. Já nesse período, os hábitos alimentares estão em formação, sendo fundamentais ações que estimulem o consumo de alimentos variados, dos diferentes grupos.

 

 

Escolares (2 a 12 anos)

 

Este grupo é menos vulnerável do que o grupo dos bebês, pois as crianças já são capazes de escolher seus próprios alimentos e, normalmente, têm um apetite voraz. Por estarem em fase de crescimento, as exigências nutricionais dos escolares são altas, com especial atenção às necessidades hídricas (de água). A merenda escolar assume uma grande importância e deve ser constituída de alimentos saudáveis, o consumo de alimentos industrializados deve ser desestimulado.

 

 

Adolescentes (12 a 20 anos)

 

Os requerimentos energéticos e nutricionais dos adolescentes são altos, pois esta fase é caracterizada por um crescimento físico acelerado. Como já são bastante independentes, os adolescentes costumam selecionar alimentos de baixo valor nutritivo e alta densidade calórica. Nesse período, algumas questões merecem atenção especial, como os riscos de transtornos alimentares (anorexia, bulimia e compulsões), o baixo-peso, o sobrepeso, a obesidade, a anemia e a gravidez na adolescência, que, por sua vez, aumenta o risco de partos prematuros e crianças com baixo peso ao nascer.

 

 

Adultos (20 a 60 anos)

 

A alimentação adequada do adulto é fundamental para a manutenção da saúde e do peso corporal, evitando o surgimento de doenças como diabetes e hipertensão, além de carências nutricionais. Os requerimentos energéticos são estimados levando em consideração a prática de atividade física, a massa corporal e a idade, bem como o estado fisiológico (presença de patologias e gravidez ou lactação, no caso das mulheres).

 

 

Terceira Idade (a partir de 60 anos)

 

A boa alimentação durante todas as fases vida é determinante para a qualidade de vida que uma pessoa pode esperar gozar na velhice. Na nutrição do idoso, deve-se dispensar atenção às dificuldades que ele possa encontrar para adquirir e preparar os alimentos, de socialização, de motivação para se alimentar e praticar atividades de lazer, etc... Podem surgir restrições de ordem médica, devidas à presença de doenças degenerativas (diabetes, hipertensão, insuficiência renal, cardiopatias, etc...).

 

 

 

 

Para ler o texto completo visite nossa página para desktop