Recomendações nutricionais

 

- Consumir os alimentos na temperatura ambiente ou morna.


- Consumir alimentos ricos em ferro (fígado, frutos do mar, coração, feijões, gema de ovo), folato (fígado, carnes magras, vegetais folhosos, batatas, cereais integrais e feijões) e cobalamina (fígado, peixes, ovos, leite e queijos).


- Não ingerir alimentos frios ou gelados com o estômago vazio.


- Evitar o excesso de alimentos muito fermentativos, que causam gases (carnes, ovos, feijão, brócolis, couve-flor).

 

Diarréia

 

Recomendações nutricionais

 

- Repor os líquidos e os minerais perdidos, bebendo água e sucos várias vezes ao dia, em pequenas quantidades.


- Preferir iogurte simples ou com lactobacilos e evitar a ingestão de leite e queijos. Consumir alimentos que “prendem o intestino”, como goiaba, banana prata, arroz, fubá, amido de mandioca (tapioca), maçã (sem casca), caju, limão, maracujá.


- Aumentar o consumo de alimentos ricos em fibras solúveis (frutas cítricas, maçã, abacate, legumes, aveia, centeio) e potássio (batata, laranja, banana, tomate, feijão, carne bovina).


- Consumir os alimentos em temperatura ambiente ou mornos.

Recomendações nutricionais

 

- Aumentar o consumo de fibras (solúveis e insolúveis – 25g por dia), de água (pelo menos 2,5 litros por dia). ATENÇÃO: o aumento no consumo de fibras sem aumento da ingestão de líquidos pode piorar o quadro de constipação.


- Preferir pães, biscoitos, arroz e outros cereais INTEGRAIS. Consumir alimentos ricos em tiamina (fígado, cereais integrais), potássio (leite, batata, laranja, banana, feijão) e gordura monoinsaturada (azeite de oliva, óleo de canola).


- Evitar alimentos que provocam constipação (maisena, banana prata, batata inglesa, caju, cará, goiaba, biscoito cream cracker, limonada, chá preto, cevada, fécula de batata).

Recomendações nutricionais

 

- Preparar os alimentos com caldos e molhos, evitando pratos muito secos e salgados. Aumentar o consumo de água (2L/dia) e ingerir líquidos durante as refeições.


- Chupar cubos de gelo (feito de água, água-de-coco ou sucos) nos intervalos das refeições.


- Usar gotas de limão para temperar as saladas e acidificar as bebidas. Consumir frutas cítricas (laranja, limão, mexerica, lima), se toleradas.

Recomendações nutricionais

 

- Comer devagar, mastigando bem os alimentos. Não ingerir alimentos em temperaturas extremas (muito quentes ou muito frios).


- Evitar comer em excesso alimentos ricos em enxofre (carnes, aves, peixes, ovos, feijões, brócolis, couve-flor, repolho), leites (prefira iogurte ou coalhada), açúcares, massas mal cozidas e fibras insolúveis (vegetais folhosos, grãos integrais, trigo, milho).

Recomendações nutricionais

 

- Consumir alimentos ricos em zinco (carnes, peixes, aves, leites e derivados, fígado, cereais integrais).


- Preparar os alimentos da preferência do paciente, com boa apresentação.


- Aumentar a densidade calórica dos pratos com sopas cremosas, vitaminas com leite, sorvetes, mel, etc.


- Evitar excesso de gorduras e a ingestão de líquidos durante as refeições.


- Fazer mais lanches pequenos nos intervalos das refeições.


- Considerar o uso de um complemento nutricional (oral, enteral ou parenteral).

Recomendações nutricionais

 

- Aumentar o consumo de alimentos ricos em zinco (carnes, peixes, aves, leites e derivados, fígado, cereais integrais).


- Oferecer os alimentos da preferência do paciente.


- Temperar bem os alimentos, usando ervas e condimentos.


- Preferir os alimentos em temperatura fria ou gelada.

Recomendações nutricionais

 

- Dar preferência aos alimentos mais macios, em temperatura ambiente ou fria.


- Consumir alimentos ricos em cobalamina (fígado, peixes, ovos, leite e queijos), niacina (carnes magras, aves, peixes, gergelim e amendoim) e folato (fígado, carnes magras, vegetais folhosos, batatas, cereais integrais e feijões).


- Evitar alimentos gordurosos, ácidos ou quentes e os condimentos em geral.

Recomendações nutricionais

O uso de medicamentos, o estresse da vida moderna e dietas desequilibradas são alguns exemplos de situações que podem provocar alterações nos sistemas digestório e endócrino, comprometendo nosso estado nutricional e prejudicando nossa saúde.

 

Esta página foi criada para divulgar, de maneira objetiva, as principais orientações nutricionais para o tratamento dos distúrbios gastrintestinais mais frequentes nos ambulatórios. São recomendações de nutrientes (e alimentos fonte), modos de preparo e comportamentos que trazem alívio aos sintomas de alterações no sistema digestório, como náuseas ou dificuldade de digestão, e desempenham papel determinante para o sucesso do tratamento de doenças de base que estão relacionadas com esses tipos de desconfortos.

 

Mas, atenção! Quando um distúrbio digestivo torna-se crônico e você experimenta desconfortos diários, é sinal de que algo não está bem. As orientações nutricionais publicadas no lactobacilo.com não substituem a consulta com um nutricionista ou médico.

Recomendações nutricionais

 

- Fazer mais refeições ao dia, comendo pouca quantidade de alimentos de cada vez. Consumir os alimentos em temperatura ambiente ou fria.


- Preferir alimentos mais secos, como biscoitos e pães.


- Evitar deitar após as refeições e o consumo de gorduras, açúcares e condimentos.

Recomendações nutricionais

 

- Aumentar o consumo de carboidratos complexos (cereais integrais, frutas e hortaliças) e reduzir o de carboidratos simples (doces e pães brancos).


- Consumir leites fermentados com lactobacilos.


- Consumir alimentos ricos em cobalamina (fígado, peixes, ovos, leite e queijos) e niacina (carnes magras, aves, peixes, gergelim e amendoim).


- Evitar alimentos ácidos e quentes.

Recomendações nutricionais

 

- Fazer mais refeições ao dia, comendo pouca quantidade de alimentos de cada vez. Comer devagar, mastigando bem os alimentos.


- Aumentar o consumo alimentos ricos em fibras solúveis (frutas cítricas, maçã, abacate, legumes, aveia, centeio) e glutamina (carnes, soja, leitese derivados).


- Evitar refrigerantes e outras bebidas com gás, frituras, açúcares e bebidas alcoólicas.

Recomendações nutricionais

 

- Preferir os alimentos servidos em temperaturas frias ou geladas.


- Fazer refeições menos volumosas.


- Evitar o excesso de fibras, alimentos flatulentos e fermentáveis, ricos em enxofre e gordurosos.


- Não ingerir líquidos durante as refeições.

 

Estomatite

 

Recomendações nutricionais

 

- Fazer uso de dieta branda, com consistência mais macia.


- Aumentar a ingestão de cobalamina e de alimentos ricos em vitamina A (óleos vegetais, vegetais amarelos e verde-escuros), vitamina E (óleos vegetais, manteiga, ovos e frutas oleaginosas), vitamina C (frutas cítricas), folato (fígado, carnes magras, vegetais folhosos, batatas, cereais integrais e feijões) e zinco (carnes, peixes, aves, leites e derivados, fígado, cereais integrais).


- Evitar alimentos muito quentes, condimentados, ácidos, secos e salgados.

 

Esofagite

 

Recomendações nutricionais

 

- Fazer uso de dieta branda, com consistência mais macia.


- Aumentar o teor de proteínas da dieta e reduzir o de carboidratos e lipídios.


- Aumentar o consumo de vitaminas A (óleos vegetais, vegetais amarelos e verde-escuros), C (frutas cítricas) e folato (fígado, carnes magras, vegetais folhosos, batatas, cereais integrais e feijões).


- Reduzir o consumo de cafeína, purinas (anchovas, sardinhas, vísceras, caldos de carnes, frutos do mar), carminativos (medicamentos para redução de gases) e alimentos ácidos.


- Evitar deitar-se após as refeições e realizar a última refeição 3 a 4 horas antes de deitar.

Recomendações nutricionais

 

- Fazer uso de dieta branda, com consistência mais macia.


- Aumentar o teor de proteínas e de carboidratos complexos na dieta e reduzir o de carboidratos simples.


- Consumir alimentos ricos em ferro (fígado, frutos do mar, coração, feijões, gema de ovo), vitamina C (frutas cítricas) e vitamina A (óleos vegetais, vegetais amarelos e verde-escuros).


- Reduzir o consumo de cafeína, fitatos, alimentos muito temperados ou condimentados e sucos ácidos.

Referências

 

BERBEL, Maria Bety Fabri; AZZOLINI, Christiane Ribas; REIS, Nelzir Trindade. Interações entre drogas e nutrientes. In: CUPARI, Lilian. Nutrição Clínica no adulto. Barueri: Editora Manole, 2002. Cap. 17, pág. 343 a 366.


BIANCHI, Maria de Lourdes Pires. Interações alimentos e medicamentos. In: DUTRA-DE-OLIVEIRA, J. E.; MARCHINI, J. Sérgio. Ciências Nutricionais. Editora Sarvier: São Paulo, 2006. 4ª reimpressão. Cap. 17, pág. 279 a 287.


COSTA, Eronita de Aquino. Manual de nutrientes – prevenção das doenças através dos alimentos. Editora Vozes: Petrópolis, 2002. 2ed. 236p.


FAVIER, Jean-Claude et al. Repertório geral dos alimentos – tabela de composição. Editora Roca: São Paulo, 1999. 895p.


FRANCO, Guilherme. Tabela de composição química dos alimentos. Editora Atheneu: São Paulo, 2003. 9ed. 307p.


PINHEIRO, Ana Beatriz Vieira et al. Tabela para avaliação de consumo alimentar em medidas caseiras. Editora Atheneu: São Paulo, 2000. 4ed. 79p.

Náuseas e Vômito

Diarréia (intestino solto)

Constipação (intestino preso)

Boca seca (xerostomia)

Flatulência (gases)

Dificuldade de digestão (dispepsia)

Perda do apetite (anorexia)

Alterações no paladar (disgeusia)

Lingua inchada (glossite)

Sapinho (candidíase oral)

Colite

Dor abdominal

Estomatite

Ulceração gatrintestinal

Esofagite

Pesquisar no lactobacilo