processos digestivos

digestão

O corpo humano pode ser definido como um conjunto de células que se organizam em tecidos para formar os órgãos e sistemas funcionais do organismo. Cada uma das células que compõem esta complexa máquina chamada ser humano precisa de energia para realizar o trabalho para o qual foi geneticamente programada. A energia das células é obtida através do oxigênio e dos nutrientes contidos nos alimentos que ingerimos. Veja abaixo o quadro contendo um resumo de como ocorre todo o processo de digestão do corpo humano.

esôfago

Esôfago - endoscopia

O que é o esôfago?

 

O esôfago é um órgão tubular, com cerca de 20 cm de comprimento, cuja função é transportar o alimento ao estômago. Este transporte é feito através de movimentos peristálticos.

 

Na junção entre o esôfago e o estômago, está o esfíncter esofágico, que se abre quando o bolo alimentar se aproxima, permitindo sua passagem ao estômago. No restante do tempo, este esfíncter fica fechado para impedir a volta de conteúdo do estômago para o esôfago (refluxo).

estômago
fígado

Localização anatômica do estômago

Estômago - endoscopia

O que é o estômago?

 

O estômago é um órgão em forma de saco, que tem funções mecânicas e químicas na digestão. Segundo os estudiosos, a etimologia da palavra é proveniente do grego stómakhos (derivado de stóma = boca, orifício). O estômago situa-se entre o esôfago e o duodeno.

 

Em humanos, o estômago tem um volume de cerca de 50 mL quando vazio. Depois de uma refeição, ele geralmente se expande para suportar cerca de 1 litro de comida, [SHERWOOD, Lauralee (2004) ] mas ele pode expandir até 4 L de fato.

 

As funções mecânicas do estômago são:

         1. reservatório de alimento (a parte superior do órgão relaxa sua musculatura, 
            aumentando sua capacidade e acomodando o alimento que está chegando); 
         2. mistura (a parte inferior,  através de movimentos decorrentes da ação  de 
            músculos da sua parede, mistura o alimento com o suco digestivo produzido 
            pelo estômago); 
         3. esvaziamento (liberação dos  alimentos já  parcialmente  digeridos para o 
            duodeno,  que é a primeira porção  do intestino delgado.  Neste ponto,  o 
            alimento apresenta uma consistência semilíquida e é chamado de quimo). 

As funções químicas do estômago são:

         1. produção de ácido clorídrico, que age sobre todos os tipos de  alimentos, 
            acidificando-os.  A mucosa do estômago tem uma proteção especial  contra 
            este ácido,  impedindo que,  em condições normais,  suas células  sofram 
            inflamações(o que pode levar a ulceração - ferida da parede do órgão); 
         2. produção do pepsinogênio, que,  em contato com o meio ácido  do estômago, 
            transforma-se em pepsina, enzima que digere (quebra) as proteínas;
         3. secreção do fator intrínseco, que permite a captação da vitamina B12 da 
            dieta.

O que é a vesícula biliar?

 

A vesícula biliar é uma bolsa situada junto ao fígado onde fica armazenada a bile, um fluido amarelo-esverdeado produzido no fígado que possui propriedades detergentes (emulsificantes) e é rico em ácidos biliares conjugados, sais inorgânicos, proteínas e pigmentos (ex: bilirrubina – responsável pela coloração das fezes). Após uma refeição, a vesícula libera a bile no intestino delgado, onde ela ajuda a digerir gorduras. Por dia, cerca de 880 mL de bile são secretados pela vesícula.

pâncreas

Função Exócrina

A porção exócrina é responsável pela produção do suco pancreático - rico em bicarbonato, sódio, potássio, cloro, etc. Este também é rico em enzimas digestivas (amilase e a lipase pancreáticas, a tripsina e as peptidases) e é transportado até o duodeno através de um ducto excretor.


Função Endócrina

A porção endócrina do pâncreas representa de 1% a 2% do total do órgão e é composta por pequenos conjuntos de células (ilhotas de Langerhans) dispersos pelo órgão que produzem hormônios. Os hormônios pancreáticos são: a insulina, o glucagon, a somatostina e o polipeptídeo pancreático. Eles participam do controle da glicemia (taxa de glicose – açúcar – no sangue).

Esquema: Fígado, vesícula biliar, pâncreas e duodeno

O que é o pâncreas?

 

O Pâncreas é uma glândula mista (endócrina e exócrina) que derrama seu conteúdo enzimático no duodeno, colaborando com a digestão alimentar. Também secreta no sangue importantes hormônios que participam do metabolismo dos carboidratos.


duodeno
microvilosidades do intestino de um coelho

1: Visão microscrópica do intestino de coelho.

2: Microvilosidades intestinais - ampliação.    

Corte transversal do duodeno

O que é o duodeno ?

 

O duodeno é a primeira porção do intestino delgado, que tem continuidade com o estômago a partir do piloro gástrico. Seu revestimento mucoso ("pele" que reveste internamente todo o tubo digestivo), com muitas pregas (vilosidades e microvilosidades), aumenta de forma importante a superfície de contato do órgão com o quimo, maximizando as funções digestivas e de absorção intestinal.

 

O que são as microvilosidades?

 

As microvilosidades ou microvilos são projeções citoplasmáticas da superfície da célula recorbertas por uma membrana que tem seu interior formado por filamentos de actina. As microvilosidades, muito frequentes em células epiteliais que revestem órgãos em que há muita absorção de líquido e moléculas - como por exemplo, o epitélio do intestino delgado - formam um padrão de dobras, cavidades e projeções semelhantes a dedos, resultando em um extraordinário aumento de superfície para um cilindro regular.

Os microvilos não são visíveis individualmente ao microscópio de luz, entretanto, conjuntos de microvilos podem ser vistos na forma de uma faixa de coloração diferente na superfície apical das células epiteliais. No caso do intestino delgado esse conjunto recebe o nome de bordadura estriada.

No duodeno, as células intestinais secretam enzimas e outras substâncias importantes para a digestão. Nele desembocam os ductos que trazem os sucos digestivos produzidos pelo fígado (bile) e pelo pâncreas (suco pancreático). É aqui que se completa a função digestiva, dando-se início à absorção, quando o alimento, então, é impulsionado para a segunda parte do intestino delgado - o jejuno.


As moléculas digeridas dos alimentos, como também a água e sais minerais, são absorvidos através da parede do intestino delgado. O material absorvido atravessa a mucosa, atinge as veias do sistema circulatório e é então levado a outras partes do corpo (principalmente para o fígado) para ser armazenado ou sofrer outras modificações químicas. O processo de absorção varia de acordo com o tipo de nutriente - carboidratos, gorduras e proteínas. A parte não digerida (fibras) é levada ao intestino grosso.

Se você gostou desta página, ajude-nos a divulgá-la: curta, compartilhe e comente no twitter!

Referências

 

BEYER, Peter L.: Digestão, absorção, transporte e excreção de nutrientes. In MAHAN, Kathen L., ESCOTT-STAMP, Sylvia: Krause – alimentos, nutrição e dietoterapia. Editora Roca: São Paulo, 2002. 10ª edição. Cap 1, pág 3 a 17.


CARVALHEIRA, Carlos: Endoscopia Alta. Acessado em http://www.gastroalgarve.com/endoscopia/endalta.htm (10/08/2006).


ESADI - Espaço de saúde do aparelho digestivo. Seu aparelho digestivo. Acessado em http://www.esadi.com.br/ad_como_funciona.asp (10/08/2006).

 

ICB / USP - MOL Microscopia OnLine: Seu guia interativo de Histologia. Módulo 2 - epitélios de revestimento. Especialização da superfície celular - Microvilosidades. Acessado em http://www.icb.usp.br/mol/2-33epitespecial-1-33.html (18/02/2014)


Fisiologia - Aula 1: o sistema digestório. Acessado em http://www.instrumentador.com.br/internas/aulas/fisiologia3.htm (10/08/06).


Intestino de conejo. Acessado em http://www2.uah.es/practicas_citologia_histologia/Intestino-conejo-epit.htm (10/08/02).


ROCHA, Breno. O corpo humano – Generalidades: célula. Acessado em http://www.corpohumano.hpg.ig.com.br/ab_news_health. (10/08/06).


ROCHA, Breno. Sistema digestivo - a digestão: pâncreas. Acessado em http://www.corpohumano.hpg.ig.com.br/digestao/pancreas. (10/08/06).

 

T.G.I.

O que é o peristaltismo?

 

O peristaltismo, descoberto por Ernest Starling e William Bayliss, é uma série de contrações musculares organizadas e involuntárias, impulsionada pela musculatura lisa e coordenada pelo sistema nervoso autônomo, que empurra o alimento (também denominado bolo alimentar, quimo) ao longo do TGI durante os processos digestivos.

O que é o Trato Grastrintestinal (T.G.I)?

 

O Trato Gastrintestinal (T.G.I.) é um dos maiores órgãos do corpo, estende-se da boca ao ânus, e é especializado em extrair os macronutrientes (carboidratos, proteínas e lipídios) e água dos alimentos, e em absorver os oligoelementos (monossacarídeos, ácidos graxos e aminoácidos) e micronutrientes (vitaminas e minerais) necessários ao organismo. Também serve como uma barreira física e imunológica contra os microrganismos, antígenos potenciais ou qualquer material estranho consumido com os alimentos ou formado durante sua passagem pelo TGI.

A digestão dos alimentos é realizada pela hidrólise (quebra) de moléculas complexas (macronutrientes) em unidades simples (oligoelementos), que podem ser absorvidas e utilizadas pelas células. Esta hidrólise é desencadeada através da ação de enzimas e outras secreções do TGI e de outros órgãos denominados anexos.

Vídeo: Peristaltismo

 

 

Fígado

vesícula

O que é o fígado?

 

O fígado é um dos maiores órgãos do corpo humano (pesa cerca de 1.5 Kg), e fica localizado no lado direito do abdome, protegido pelas costelas inferiores. É responsável por mais de 5.000 funções mantenedoras da vida e produz a maioria das proteínas utilizadas pelo resto do corpo, além de remover substâncias danosas ao organismo.

 

O fígado também produz a bile, que é transportada ao intestino delgado para ajudar no processo de digestão das gorduras. Entre suas inúmeras funções, o fígado auxilia no processamento do colesterol, na manutenção da taxa de açúcares no sangue e no metabolismo de medicamentos.

 

Duodeno

esquema da boca
palato mole

quantidade de proteínas (que ajudam a manter as partículas de alimento unidas) e de uma enzima capaz de digerir gorduras (lípase lingual, que tem atividade irrelevante nos adultos). As glândulas salivares (3 pares: parótidas, submaxilares e sublinguais) de uma pessoa produzem algo em torno de 1,5L de saliva por dia.

 

A ação da amilase acaba quando o bolo alimentar chega ao estômago, porque o pH gástrico é muito ácido para esta enzima funcionar. Por isso, é importante mastigar bem os alimentos: aumentando o tempo de ação da amilase, a digestão dos carboidratos será mais completa, evitando alguns desconfortos (que vão dos gases às diarréias) que podem surgir quando estes nutrientes não são adequadamente digeridos.

A etapa inicial da digestão dos alimentos ocorre na boca e é muito importante para o sucesso de todo o processo. Os dentes vão moer e triturar os pedaços grandes de alimentos que mastigamos, transformando-os em partículas menores, capazes de receber a ação da amilase (ou ptialina), uma enzima encontrada na saliva que inicia a digestão dos carboidratos.

A saliva também serve para umedecer e lubrificar os alimentos (transformando-os no bolo alimentar) e possui apenas uma pequena

 

Boca

Pesquisar no lactobacilo

T.G.I.

Boca

Esôfago

Estômago

Fígado

Vesícula Biliar

Pâncreas

Intestino Delgado

Duodeno

Intestino Grosso

novo